Não são só os especialistas em odontologia que devem se preocupar com o sorriso dos seus clientes. Pois, a sua empresa também deve fazer isso constantemente.

Fazer seu cliente sorrir tornou-se um dos maiores desafios de marketing e comunicação.

Antigamente quando havia poucos canais de televisão, rádio, jornal e revista era muito mais fácil fazer seu cliente sorrir.

Mas depois que apareceram novos concorrentes e inventaram o controle remoto, a situação mudou completamente.

Desde a década de 50, o poder da comunicação está nas mãos do cliente.

Quem poderia imaginar que desde a metade do século XX, os clientes já podiam decidir o que queriam ver em seus televisores?

Principalmente, com a criação do controle remoto as empresas começaram a perder literalmente o controle sobre a comunicação de suas marcas.

Enquanto agências e empresas investiam milhões nas mesmas comunicações, clientes que não estavam em um bom dia trocavam de canal em um instante.

Depois de jogar tanto dinheiro pela janela é que todo mundo passou a se dar conta da revolução que estava por vir: o empoderamento do consumidor.

Onde entra a publicidade nessa história?

Isso tem muito a ver com a publicidade brasileira porque ela foi a responsável por criar uma legião de fãs de marcas.

Por exemplo, quem nasceu antes da Internet vai se lembrar de alguns comerciais de TV marcantes.

Na década de 80, os brasileiros não tinham TV à cabo em casa e, praticamente, todos os lares estavam ligados na Rede Globo.

E cansamos de assistir os comerciais antológicos, como o do Primeiro Sutiã. Alguém se arrisca em dizer qual era a marca? Acertou quem disse Valisère.

Também vimos a guerra entre a Brahma e a Antarctica. E sem contar outras cervejas, como a Kaiser com o seu baixinho.

A publicidade nessa época era sempre voltada para vender um sonho de consumo, uma mensagem marcante e bem humorada.

Porque nessa época a concorrência era forte, mas ainda as marcas tinham certo domínio sobre os consumidores e clientes cativos.

Com a banda larga e as mídias sociais tudo mudou.

Depois que tivemos acesso a uma Internet de alta velocidade tudo mudou e está mudando em uma velocidade espantosa.

O que uma Internet rápida é capaz de fazer, não é verdade? Quem fica vendo TV na sala com a família reunida hoje em dia?

Quem nunca ficou mexendo no smartphone vendo alguma coisa nas mídia sociais enquanto está almoçando ou jantando?

Pois é…dificilmente conseguimos reunir a família em um mesmo ambiente. O que dirá manter a atenção de todos?

Um peixe mantém seu foco por 8 segundos.

Já um ser humano mantém seu foco por 7 segundos antes de se distrair e mudar a sua atenção.

Agora para deixar a nossa conversa ainda mais interessante, gostaríamos de compartilhar alguns dados:

Nos EUA, um estudo da Adobe constatou que os consumidores gastam em média ¼ do seu dia fazendo engajamento digital.

Mais de 25% dos millennials usam 3 ou mais aplicativos para fazer engajamento digital.

Um terço dos entrevistados citou frustração com páginas lentas e conteúdo pobre.

Outra frustração foi o design e o conteúdo não otimizado para os seus dispositivos.

Mais de 3,8 bilhões de pessoas usam as mídias sociais.

De acordo com o relatório digital 2020, publicado em parceria com o Hootsuite, mostra que 60% da população mundial está conectada.

Ao mesmo tempo dá para imaginar contentar toda essa gente? Claro que isso é um trabalho praticamente impossível.

Mesmo porque todos os dias vemos a enorme quantidade de posts nas mídias sociais de gente feliz e de quem diz o que pensa na lata.

Nesse cenário atual temos mais consumidores céticos, mais pessoas que não acreditam em falsas promessas.

Chame seu cliente para trabalhar junto com você.

Depois que todo mundo tem a liberdade de dar a sua opinião, a co-criação é uma tendência mundial.

Já vimos que o poder da comunicação saiu da mão do vendedor para a mão do comprador.

De acordo com o Huffington Post, 70% das empresas que entregam melhores experiências de consumo contam com o feedback dos consumidores.

Para ficar ainda mais claro a Lego faz um concurso anual para escolher as melhores ideias e criar novos produtos.

As ideias que recebem mais de 10 mil votos vão para uma comissão julgadora que analisa e determina o vencedor.

Dessa forma, a empresa consegue manter viva a sua marca com a ajuda de seus clientes.

Como colocar um sorriso no rosto dos seus clientes?

Essa é uma boa pergunta em um mundo engajado, polarizado e rodeado de fake news.

Para ter mais sucesso e trazer mais retorno, precisamos pensar nas estratégias de comunicação de forma abrangente e convergente.

Só trabalhar a mídia paga sem pensar na mídia própria e a conquistada não funciona mais.

Essa geração conectada o tempo todo é uma das que mais está disposta a fugir e a bloquear anúncios pagos.

Então agora não é só uma questão de verba, mas também onde ela será empregada. Fazer seu cliente sorrir exige mais pensamento estratégico.

Existem maneiras diferentes de falar com os novos consumidores e também com os clientes conquistados.

Para colocar um sorriso no rosto do cliente, a comunicação precisa ser interativa e com mensagens relevantes.

É preciso pensar em conteúdo digital com vídeos atrativos, podcasts e outras formas que prendam a atenção dos clientes.

Quem souber vender melhor seu sonho vai conquistar mais clientes.

Mesmo com toda a tecnologia e as novas abordagens de comunicação, uma coisa não mudou:

Mensagens de impacto sempre ficam na memória.

Os profissionais de comunicação que sempre se preocuparam em vender produtos e serviços sem ser chato levam mais vantagem.

Nesse momento em que tudo pode mudar de uma hora para outra é preciso estar sempre atento ao humor do mercado.

Quem soube usar isso muito bem foi o chocolate Snickers na Austrália.

Quando o índice de humor estava baixo, automaticamente o preço do chocolate caía no 7 Eleven. Pelo app, as pessoas sabiam que 7 Eleven deviam ir.

Outro case fantástico de como fazer um cliente sorrir e se emocionar é o da Apple Watch.

No vídeo há vários depoimentos de pessoas que foram salvas por causa do smartwatch.

Enfim, para colocar um sorriso no rosto do seu cliente é preciso ter uma comunicação integrada e convergente.

Além disso, as marcas têm que estar dispostas a ouvir, dialogar e aceitar a colaboração de quem mais entende de consumo: o seu cliente.